Artigos Complementares

Máximas da Negociação.

Diante qualquer situação de negociação existem algumas máximas que são consideradas primordiais se você quer atingir bons resultados.
Aqui apoiamos sempre a técnica “ganha-ganha”, onde os dois lados saem satisfeitos de uma negociação.

Essas são as máximas utilizadas no mundo dos negócios:

-Negociar é uma arte;

-Estamos constantemente negociando;

-Bons negociadores desenvolvem Networking;

-Quem não é visto, não é lembrado;

-Bons negociadores formam equipes/são bons líderes;

-Cuidado com a rotina;

-Um bom negociador decide;

-Um bom negociador é bom observador;

-O êxito da negociação depende da sua preparação;

-Saiba ouvir mais do que falar;

-A pressa é inimiga da negociação;

-Bons negociadores formam vínculos;

-Bons negociadores sabem fazer perguntas; (Não dirigidas)

-Bons negociadores desenvolvem a sua audição ativa;

-Contra fatos não há argumentos;

-Nunca de nada de graça;

-O que é combinado não sai caro; (Formalize)

Fonte: Prof. Homero Salvador Amato – Aula de Pós-Graduação em Métodos e Técnicas de Negociação.

Anúncios
Artigos Complementares

Foco no Objetivo.

Primeiramente gostaria de agradecer a todas as pessoas do Brasil que enviaram e-mails, que me telefonaram, que deixaram comentários dizendo que esse é o melhor blog de RH que já viram! (pausa emocionante).

Mentira! É só para descontrair, nunca ninguém disse isso…

Gostaria (agora de verdade) de dizer que foi um prazer estar nesse um mês junto com pessoas que agregaram valores a minha vida. Em especial a professora querida e muito competente, Luri.

Eu não tinha conhecimento algum sobre o assunto que abordamos durante as aulas e muito menos didática para lecionar (ainda tenho muito que aprender, treinar e ganhar experiência) mas o curso foi muito bem aproveitado.

Parabéns e sucesso à todos que fizeram parte de minha vida nesse último mês, espero voltar a encontra-los.

Administração do Tempo!

Falando sobre as aulas de didática e prática para o ensino superior, nós (os alunos) tivemos que elaborar uma aula ou treinamento/palestra para apresentar em sala de aula.

E hoje eu estava pensando em como trabalhar o estado psicológico em relação a esse assunto.

O que sei, é que não é fácil, e todo mundo sente um pouco de nervosismo ao se apresentar para um grupo. Pelo menos para os iniciantes é assim.

Vou falar por mim… Quando temos conhecimento e experiência sobre um assunto é bem mais fácil mas percebi que preciso ter foco para alcançar meus objetivos, não deixar que meus pensamentos me guiem. Por exemplo, se eu quero lecionar, se meu objetivo é fazer com que as pessoas entendam e compreendam o que eu estou falando e explicando, tenho que concentrar apenas nisso e esquecer os outros fatores, ou pelo menos não me apegar demais em outros fatores, como o tempo!

O tempo em muitas das vezes se torna nosso inimigo, já percebeu como passamos o dia todo falando: não tenho tempo pra isso, não tenho tempo pra aquilo, então, para dar uma aula ou fazer uma apresentação (sendo mais específica) o tempo é um fator fundamental.

Percebi também em minha apresentação, que administrar o tempo não é uma atividade de ficar contando os minutos, mas sim de verificar as prioridades de seu objetivo.

Se você tem pouco tempo, então foque naquilo que irá agregar valor para as pessoas que estão te ouvindo e seja claro e objetivo, não corra com muito conteúdo, senão, nada será aproveitado.

E quem administra o tempo reduz a ansiedade e o stress que é gerado em torno de toda atividade, no qual, parece ser mal aproveitada pelo pouco tempo disponível para se dedicar a ela.

É apenas um comentário sobre o que eu senti…

Enfim, Carpe Diem! E seja mais feliz alcançando seus objetivos, mesmo que o tempo seja curto.

Recursos Humanos

Home Office.

ATENÇÃO!!!

ESSE BLOG MIGROU PARA O ENDEREÇO:

http://consultoriaemcarreira.com.br

ACESSE O NOVO BLOG E CONTINUE ENVIANDO AS SUAS PERGUNTAS.

OBRIGADA,

MARINA GOMES
___________________________________________________________________________________________________________________

Ah! Como eu gostaria de trabalhar em casa…
Estava lendo sobre o assunto e resolvi escrever algumas coisas porque acredito ser o sonho de todos, né?!
Nada como comer bem, pois esse é um ponto, nada como ter tempo para trocar idéia com a família, buscar os filhos na escola, entre outras coisas. Ou seja, menos stress, nada de enfrentar trânsito…
Esse é o sonho de muitos profissionais e tem se mostrado cada vez mais uma tendência para o mercado.
Mas a pergunta é: a empresa em que você trabalha adotaria essa questão? Para algumas organizaçãoes isso ainda é um absurdo e para outras é um ganho a mais, aumento de produtividade, criatividade e comprometimento estão entre os principais benefícios apontados por líderes de equipes.
Existem aqueles colaboradores que precisam ser cobrados pelos líderes constantemente, esses por sua vez, não tem perfil para trabalhar em casa, mas pode adquirir com força de vontade, disciplina, cumprimento de prazos, além de gerenciar sua produção.
Para as empresas que tem receio de adotar essa nova tendência por conta das leis trabalhistas digo que as leis para os trabalhadores home office são exatamente as mesmas das aplicadas a um colaborador “comum”. A única exceção é a concessão do vale transporte que, por motivos óbvios, torna-se desnecessária.
Interessante é colocar no contrato a obrigatoriedade de reuniões periódicas no escritório para cobrar resultados e alinhamento da equipe. Nesses casos, o ônus do deslocamento até o local é arcado pela empresa.
Claro que essa mudança do escritório para casa deve ser gradativa, não precisa ser totalmente radical. A empresa têm de estar bem preparada e os funcionários também. Deve-se implantar sistemas de avaliação, comunicação direta e supervisão.
Trabalhar em home office não é apenas estar em um lugar agradável, é a economia que isso gera. Afinal, se o colaborador gerenciar bem seu tempo, a empresa ganha em produtividade e tem menores custos, o que interfere diretamente na lucratividade.
Além do mais para aqueles que já trabalham em casa esse é o melhor de todos os mundos: flexibilidade, conveniência e controle sobre a própria vida.
Sem ônibus lotados, fumaça, trânsito e engarrafamentos. Um ambiente sem tantas interrupções. Enfim, qualidade de vida!
Se o seu funcionário tem perfil para aderir a esse modo de vida, então por que não permitir que ele trabalhe em casa?
As vantagens para a empresa giram em torno de aumento da concentração, autonomia, criatividade e resultados.
Para aqueles que já estão ou querem chegar nesse mundo faça de seu trabalho sua verdadeira realização profissional, sua paixão, não uma saída para não fazer nada.